Kubo e a magia da memória

A imagem está centralizada em Kubo, um garoto de onze anos, pequeno para a idade, vestido um kimono vermelho como blusa, com calças azuis e sandálias. Ele tem cabelo preto, com um coque samurai no topo da cabeça, e o resto do cabelo caindo no rosto. Ele tem um tapa olho no olho direito. 
Na imagem, vemos um foco bem fechado no fim da sua testa até o queixo e seu braço direito está levantado. 
A imagem ainda traz uma legenda que diz "se precisam piscar, pisquem agora", a frase que Kubo sempre fala quando vai começar a contar suas histórias.

O quarto filme do estúdio Laika causou grande impacto por sua extrema beleza, com uma fotografia e direção de arte primorosa. Porém, Kubo vai além de uma estética sofisticada. Com uma narrativa envolvente, traz símbolos e mitos de um Japão mágico, em um passado distante, onde samurais e deuses são peças do cotidiano. Esses elementos serão as roldanas que fabricarão a mensagem que realmente torna a animação especial: todos nos somos mágicos.

A trama de 2016 mistura stop motion, origami e 3D em sua produção, tendo essa mescla de técnica, resultado na indicada ao Oscar 2017 nas categorias Melhor Animação e Melhores Efeitos Especiais, rompendo 23 anos sem um filme animado pleiteado para a categoria. Kubo e as Cordas Mágica trouxe inovações para a industria, misturando técnicas diversas para a confecção dos elementos da trama, como a manipulando de uma marionete gigante e o aprimorando técnicas de impressão 3D por exemplo.

O jornal norte-americano The New York Time fez o quadro explicativo abaixo sobre as diversas técnicas de animação presente no filme. Alguns elementos foram destacados foram:

  1. Para o design dos personagens humanos, suas características físicas foram inspiradas nas bonecas do final do período Edo no Japão (~1600/~1800). Elas eram feitas de tecido, madeira e cabelo humano. Os cabelos que vemos em cena, são fios naturais com uma camada de silicone por cima, proporcionando uma maior durabilidade devido a manipulação constante dos animadores.
  2. O que vemos em cena, não é um dobradura, mas uma ilusão de ótica. Para a criação dos personagens de origami, foram recortadas formas e pedaços discretos de papel dobrado que parecem formar uma única folha.
  3. Aqui temos o samurai Hanzo lutando contra uma galinha gigante. A cena é inspirada no Basan, uma criatura que cospe fogo. O que vemos, por mais que se pareça com origami, são na verdade fantoches, esqueletos de metal sobre dobras de papel especial.
  4. Como dissemos anteriormente, o filme mistura várias técnicas, dentre elas o 3D. Em cenas muito grande, como essa em que vemos diversos personagens, para economizar tempo e dinheiro, alguns foram feitos em 3D misturados aos fantoches.
Kubo está na Vila, cercado por pessoas vestido kimonos das mais diferentes: adultos, idosos, crianças pequenas. Todos olham e prestam muito atenção na história que está sendo contado diante deles. 
Vemos do chão, um samurai de origami vermelho, correndo de uma galinha gigante amarela. Ao fundo de ambos, uma chuva de papel. 
É dia, o céu está azul e vemos ao fundos casas brancas, com telados de tela e faixas verdes. O chão tem aspecto de areia.

A corte de Takamagahara

O filme conta a história de Kubo, um menino cego de um olho de 11 anos, que vivi em uma pequena vila, onde é um contador de histórias com um shamisen mágico. Órfão de pai, ele cuida da frágil mãe, que vivi a maior parte do tempo catatônica. O começo da saga de nosso herói, acontece durando o Obon, O Dia de Finados no Japão, quando o protagonista, ao ficar até o por do sol fora de casa, é encontrado por suas tias bruxas, enviadas por seu avó, o Rei Lua.

Duas mulheres que usam máscara que remetem ao teatro Kabuki: pele de porcelana, um longo nariz, lábios bem vermelho, olhos puxadíssimos negros e sem sobrancelha.  Elas também se vestem iguais, com longos chapéus pretos, uma capa preta com diversas penas (lembrando uma asa) e uma armadura de peito, também preta, com um brasão dourado na frente. 
Atrás delas, uma floresta, com arvores de troncos bem grossos e folhagem verde rasteira.
As Irmãs – as tias de Kubo são enviadas para capturar e levar o menino para o Rei Lua
O Rei Lua tem uma aparência de um idoso em idade bem avançada. Seu cabelo branco está preso em um coque bem alto, que aponta para cima. 
Ele veste um longo quimono, com uma armadura de peito, com uma lua bem no centro. Toda sua roupa e ele mesmo são azuis e brilham, como o brilho da lua. 
Ele está em primeiro plano e atrás dele, vemos uma casa de madeira com as portas abertas.
O Rei Lua desce a terra em seu confronto com Kubo

A trama mistura lendas e símbolos do Japão. Tsukuyomi na mitologia xintoísta, é o Rei Lua, morador do Takamagahara, o paraíso onde os deuses vivem na perfeição e imortalidade. Em O Conto da Princesa Kaguya, animação dos Studios Ghibli e indicado ao Oscar na categoria Melhor Animação em 2015, o paraíso lunar também faz parte da trama, onde uma extensa corte aparece para encontrar a princesa. Em ambas as animações, os elementos do folclore japonês se misturam,como por exemplo, o Buda e a visão dos deuses de que a Terra é um ambiente sujo, de maldade e egoísmo.

Vemos em ponglée (de cima para baixo), uma enorme nuvem passando por um vilarejo. 
Na nuvem gigante, diversos seres mágicos, muitos trocam algum tipo de instrumento, enrolados em echarpes verdes, rosas e amarelas. No meio da nuvem,, vemos um riquixá roxo, com detalhes em aparelho. Seu topo é verde-água com detalhes em amarelo. 
Mais ao fundo da nuvem, se destaca uma gota dourada, maior duas vezes que os outros elementos em cena. Ela possuí um círculo roxo, amarelo, laranja e verde na parte da frente.
O cortejo lunar da Princesa Kaguya
Temos duas imagens aqui: a de cima, é um Buda magro,com cabelos dourados. Todo o resto de sua imagem traz tons de branco, cinza, roxo e azul. 
Ele está em uma nuvem gigante, cercado de seres que lembram fadas e quatro músicos, que tocam instrumentos diversos, como tambor e pratos. Os tocadores também são brancos de um tom porcelana. Todos tem coroas e colares douradas. Três tem echarpes e saris verdes e um tem uma echarpe e sair rosa.  Vemos essa cena um pouco de lado, na altura dos olhos. 
Na imagem abaixo, vemos em plongéé (de cima para baixo) Besouro (um humanoide com tamanho humano mas partes do corpo que lembram um besouro. Tem uma carapaça que lembra uma armadura de samurai toda em frente, com um rosto laranja. É alto); Macaca (um macaco da neves, com pelos que tem uma mistura de cores cinza, branco e roxa. Tem uma cara pink com grandes olhos redondos) e Kubo.
Eles estão em um grande campo com vegetação esverdeada. Ao fundos, vemos montanhas e o por do sol, que deixa o céu em tons laranjas e amarelos. 
No primeiro plano, vemos um gigante Buda de madeira, muito parecido com o da primeira imagem (magro, com olhos bem puxados)
O Buda de Kaguya (acima) e o de Kobo (abaixo) trazem semelhanças estéticas

Taro Goto foi o consultor especializado em cultura nipônica para o filme. Segundo a diretora de arte Alice Bird, o estúdio queria ser respeitoso com a mitologia japonesa e ter uma precisão sobre seus mitos e símbolos. No vídeo abaixo, vemos Georgia Hayns, a supervisora na fabricação dos bonecos, explicado a Goto algumas das misturas que a Laika fez com os símbolos da terra do Sol Nascente. O personagem Besouro, é baseado no Kabuto, o besouro elefante japonês. Kabuto, significa capacete e nessa mistura, Besouro tem uma carapaça que remete a uma armadura de samurai.

A magia da lembrança

A autora, psicologa junguiana e contadora de histórias, Clarissa Pinkola Estés no livro Mulheres Que Correm com Lobos, analisa que as histórias de um povo, repassadas de geração em geração, são um medicamento que fortifica e recupera o indivíduo e a comunidade. (p. 34). Essas histórias podem ter o intuito de acordar um espírito dentro de um indivíduo ou celebrar a alegria de um povo, por exemplo. Ela continua nas páginas seguintes, analisando sobre a importância da lembrança:

“A energia para contar histórias vem daqueles que já se foram […] As histórias conferem movimento à nossa vida interior, e isso tem importância especial nos casos em que a vida interior está assustada, presa ou encurralada.”

Se histórias são balsamos para a alma, Kubo e as Cordas Mágicas cumpre esse papel por completo. Mais do que um desenho animado, o filme nos leva para um outro mundo, distante do ocidente, do que nos é costumeiro e nos transporta para uma saga fantástica, em lugares estonteante, sem esquecer de nós rememorar sobre algo que já sabemos, mas as vezes é difícil lembrar.

Uma dessas lembranças, é sobre como crescer as vezes parece mais difícil do que poderíamos aguentar. Mas quanto mais o tempo passa, mais poderosos ficamos. E é essa força que, podemos esquecer que temos vez ou outra, que nós faz seguir em frente. Ela está em nós o tempo todo. Foi construída com a ajuda das memórias das pessoas que amamos e que cruzaram nosso caminho, sempre nos ensinando algo. Quanto mais forte, mais perigoso fica o mundo. Nossa vivencia nós dá poder, mas pedi algo em troca, como a Macaca diz:

Macaca e Kubo estão em uma planície coberta de neve. Macaca limpa o rosto sujo de Kubo de neve enquanto fala: " a vida tem um jeito engraçado de manter tudo equilibrado". Ela está de costas para camera enquanto faz essa ação, enquanto Kubo está de frente e olha para o lado. Ele parece contrariado.
A vida tem um senso de humor peculiar

Apesar das dificuldades que possamos encontrar pelo caminho, é a Macaca que mais uma vez irá nos lembrar que o amor nos deixa mais forte. E aqui é importante lembrar que não precisa ser um amor romântico, pode ser o amor por um sonho, pela carreira, por você mesmo. O ódio e a cegueira dos vilões faz com que eles não tenham pelo que lutar, diferente de nossos heróis.

Vemos macaca em um angulo de cima para baixo. Ela tem uma espada em mãos e os dentes cerrados, com uma aparência de raiva. Preso no lado direito de seu corpo, estão uma garra de metal, que tem um longo cordão preso a ele. É a arma de uma das Irmãs, com que Macaca está duelando. 
No fundo das cenas, temos um céu bem fechado em tom de azul náutico, com grandes nuvens cinzas e com tons de azul petróleo. 
No frame escolhido para ilustrar o texto, Macaca diz "o amor me deixou mais forte ainda".
No anime One Piece, Zeff diz que a arma mais poderosa que temos, é a que está dentro de nós

Apesar das diversas mensagens positivas, o filme trata sobre como o relacionamentos familiares não necessariamente são cheios de amor. Vemos isso na figura da Mãe e sua relação com a corte lunar. A animação trata um tema tão obscuro e delicado de forma clara, refletindo que por mais que amor e família seja um discurso presente na trama, não devemos ser capturados por quem não aceita nosso verdadeiro eu.

No primeiro plano vemos os cabelos da mãe de Kubo, que está de costas para a camera. Ela aparece em 1/4 da cena. 
Kubo, se encontra mais centralizado na cena e tem uma expressão de dor, confusão e incredulidade ao dizer a frase: "não pode ser verdade, pode? eles são família". 
Eles conversam dentro da caverna onde moram e a luz em torno deles tem tons marrons.
Família são as pessoas que nos amam, ensina a mãe de Kubo

Kubo nos faz refletir que a experiência humana tem sofrimento, dor, morte, mas são essas histórias que nos fazem ser quem somos, que nos deixa mais forte. O filme nos mostra que sempre podemos mudar nossa história e que um começo triste, pode se transformar em um final feliz. O destino do personagem principal é escrito e transformado por ele, por suas escolhas, pelo desejo pelo amor e o perdão.

O sofrimento por pior que seja, não é eterno. A experiência humana é cíclica, com alguns dias bons e outros ruins. Essa passagem do tempo, esse acumulo de vida, é o gerador de nossas memórias (triste e felizes). Serão essas lembranças, o combustível para a nossa magia, o nosso poder: o de seguir em frente, de recomeçar, de tentar mais uma vez. É assim que o amor triunfa, é assim que mudamos nossa própria história.

Macaca preenche todo o quadro da cena.Seu rosto é iluminado pela luz de uma fogueira. Com os olhos cerrados e olhar compenetrado, ela segura com o indicador e o polegar, um fio de cabelo da mãe de Kubo. 
Na imagem, aparece a seguinte legenda: E lembranças são coisas poderosas, Kubo.
Macaca está de costas, em menos de 1/3 da cena e podemos ver apenas a parte de trás da sua cabeça, uma de suas orelhas e a lateral de seu focinho. Ela olha para Kubo, que está deitado na neve, com os cabelos e o lado esquerdo do rosto sujo de neve. Ele sorri para ela.
Kubo e as Cordas Mágicas está disponível na Netflix
Please follow and like us:
error

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*